Early to Bed – Morphine

30 11 2009

O urubu-rei pode até ser rei, mas nunca deve esquecer que antes de tudo é um urubu

 

Hoje continuo falando do livro do Nick Hornby. Continuo falando dos personagens principais, da forma como eles foram parar no topo do edifício e de como isso pode a meu ver se refletir em mim e até em outras pessoas. O nome de hoje é Martin Short. Homem famoso, bem sucedido, pai de duas filhas, casado, apresentador de TV, figura para lá de pública. Tinha tudo para ter uma vida boa e tranqüila até que jogou tudo pela janela.

Não agüentou as investidas de uma menina de 15 anos, foi pra cama com ela e nessa mesma cama deixou toda a sua vida. E segundo falas do personagem, apenas por sexo. Não existia nenhum tipo de sentimento, apenas desejo e tesão. Martin perdeu emprego, amigos, família, foi preso e nem podia sair às ruas após, alvo que era de olhares e comentários das pessoas.

Fico imaginando o personagem caminhando por Londres ao som de alguma das músicas da banda que acho que melhor traduz o livro, Morphine. Um grupo norte-americano formado por bateria, baixo de duas cordas e sax, sem guitarra que infelizmente terminou em 1999 com a morte do band leader Mark Sandman num palco em Roma, vítima de infarto fulminante. Vasculhando as músicas da banda (que voltará nos demais personagens daqui pra frente), encontrei uma que acho que traduz bem isso Early to Bed (clique no nome da música para ver um clipe), que diz que dormir e acordar cedo limita a vida noturna das pessoas, limita a vida social, limita a própria pessoa a um microverso onde a companhia acaba sendo a tela da TV.

No fundo isso realmente aconteceu com Martin e provavelmente o peso disso tudo é que fez com que ele tivesse a idéia de se matar. Entretanto, é nesse ponto que vale a pena começar a brincadeira com as palavras. Uma análise mais rápida pode nos levar a um caminho mais rápido e simplista. Ele cometeu um erro e merece pagar, ele é o único culpado por seus atos. Até certo ponto isso é verdade, mas e o julgamento do crime? Até falei sobre o tema neste post de maio. Temos pesos e medidas diferentes para cada pessoa.

Talvez Martin tenha sofrido um pouco disso, o peso do julgamento me pareceu muito mais forte do que seria se ele fosse uma pessoa comum e desconhecida. É claro que isso não apaga a canalhice que ele cometeu. Pensando ainda nessa linha, talvez o fato dele não ser alguém comum também tenha criado em sua cabeça a falsa aura de proteção para qualquer ato imbecil que ele viesse a cometer.

Procurando ser mais claro. É comum vermos pessoas com algum tipo de pequeno poder, e ai chamo de pequeno poder coisas simples como um chefe de setor, um recém-promovido, uma pessoa desejada por várias outras, um aluno popular, um cantor de bairro, até os extremamente populares. Em uma ou outra instância, aliás, todo mundo é poderoso em algum ponto. O que pode causar problema é esse poder se tornar mais forte do que a razão, e a pessoa faz uso desse poder como se ele fosse uma capa protetora que o livrasse de qualquer besteira.

Quando a pessoa percebe que não possui esse poder todo, ou em alguns casos a importância que acredita ter naquele pequeno círculo, seu mundo cai. Tudo parece desabar e a sensação de desespero pode ser fatal. Procurando me colocar no lugar do Martin, provavelmente não seriam as perdas que me fariam querer pular do prédio, mas sim a descoberta de que depois de tantos anos me enganando eu não era nem 10% do que acredita ser. Era tudo uma fantasia criada por meia dúzia de bajuladores e principalmente pela cabeça do personagem.

Afinal, sejamos honestos. Temos orgulho das coisas que fazemos. As pequenas conquistas e muitas vezes gostamos de ser reconhecidos pelas nossas vitórias ou ações que acreditamos ser importantes. O problema muitas vezes está em reconhecer que essas situações só são verdadeiramente importantes para nós. Todo o resto do universo segue seu curso sem se importar muito com o que fazemos. Recolher-se a própria insignificância é algo extremamente difícil.

Anúncios




Cotidiano – Chico Buarque

28 11 2009

entender e ajudar a minimizar a dor do outro deveria ser algo extremamente simples e comum, pena que não é...

Como eu havia prometido, começo agora a dissecar um pouco os personagens do livro “Uma Longa Queda” de Nick Hornby. Repito que adorei o livro e recomendo a leitura, me fez pensar num monte de coisas diferentes. Me fez entender e talvez me ajude a elaborar algumas de minhas neuras e o que é melhor, fez isso me divertindo. Fazendo meu cérebro trabalhar.

Aliás, falando nesse tema, fazer o cérebro trabalhar, escolhi pra começar a personagem aparentemente mais frágil do grupo dos suicidas. Maureen, mãe solteira de uma criança portadora de deficiência, o livro não deixa claro qual, mas sabe-se que seu filho não interage com o mundo ao seu redor. A dor que ela sente me remete até certo modo a uma música do Chico Buarque, Cotidiano (clique no nome da música para assistir a um vídeo dele cantando a música).

Apesar de a música falar da mulher sentir certa alegria em todo dia repetir as ações com e para o seu homem (sem discussões sobre machismo, ok? O assunto é outro), nem todo mundo se sente bem com essa falta de mudanças e perspectivas. Maureen se sente mal com o que vive. Não aguenta mais dedicar todo o seu tempo aos cuidados de Matt, seu filho. Não aguenta mais perceber que não vive mais sua vida, não faz nada e nem vê a possibilidade de voltar a fazer. Quantas vezes não nos sentimos presos dessa forma? Quantas vezes parecemos escravos do cotidiano fechado que nos cerca.

Acordar cedo, correr para o trabalho, ao fim do dia correr para a faculdade, chegar em casa cansado e adormecer para repetir tudo no dia seguinte, chega-se ao final de semana e é hora de limpar e arrumar a casa, ir ao mercado, fazer o que ficou pra trás durante a semana. Tudo é feito quase mecanicamente. Bem vindo a vida moderna diriam alguns, mas será que isso tudo é necessário? Conheço um número relativamente grande de pessoas que se sente oprimida o suficiente para se queixar de sua agenda e alguns até poderiam mesmo se matar pela forma como são oprimidos diariamente pelas obrigações. Falta tempo para conseguir ser quem realmente se é.

Até poderia dizer algo sobre falta um culto ao ócio ou algo do gênero, mas não é isso, muitas vezes a falta de atividade pode ser tão dolorosa quanto o excesso de atividade. O desemprego causa suicídios, causa desgosto e muitas vezes sair de uma situação dessas é muito mais difícil do que se pensa.

Nesse ponto Maureen acaba atuando como a voz mais forte de uma multidão insatisfeita com a própria vida. Alguns podem simplesmente dizer, mude sua vida e siga adiante, pare de encher a paciência. A questão é que muitas vezes não se sabe como fazer isso, ou não é possível mudar. Maureen mudou de alguma forma, não conto como foi para que você não desista de ler o (ótimo) livro.

Eu tentei me colocar no lugar dela. Confesso que parte da dor dela acaba sendo minha também, mas em outra instância. Algumas coisas eu poderia e deveria fazer de modo diferente, outras acredito mesmo ser esta maneira repetitiva a melhor possível e até a maneira necessária. Por outro lado, a ignorância (aqui no sentido de ignorar, desconhecer) de Maureen para alguns temas óbvios, me deixou extremamente pensativo.

Fiquei um tempão pensando nisso. O tamanho do mundo de uma pessoa varia de acordo com o que ela vive. Seus sonhos e desejos provavelmente vão ser limitados pelo tamanho de seu mundo. Como o mundo de Maureen era extremamente pequeno se comparado aos outros suicidas, seus desejos mais fortes pareciam bobeira aos olhos dos demais, só que para ela eram algo extremamente importante e forte.

Tentando chegar um pouco mais fundo nessa linha, como cada pessoa conhece e vive coisas diferentes, cada um possui um mundo diferente do outro. Os desejos de um, nesse caso, podem parecer extremamente ridículos e simples para o outro e vice-versa. Ai meu lado mais humanista e Pollyana (sim eu li Pollyana e Pollyana moça, mas não espalhem, por favor) me diz que o correto seria um ajudar o outro a chegar aos seus sonhos e resolver seus problemas, é bem mais fácil resolver a dor do outro do que a sua. O que pega é que infelizmente não é dessa forma que agimos, assim, diariamente mais e mais Maureens se suicidam, eu posso falar por mim, já pensei nisso algumas vezes e por motivos que a grande maioria das pessoas acharia banal.





Time – Pink Floyd

24 11 2009

Quase perdi a hora certa de dar flores a quem merece...

Eu e o tempo, dois eternos inimigos, na verdade eu diria que eu sou o inimigo dele que não está nem ai pra mim. A música Time do Pink Floyd traz uma letra que traduz de forma bastante interessante o que eu quero falar sobre o tempo. Hoje quero brincar com algumas alegorias malucas em minha cabeça, idéias que surgiram de pequenas histórias que quero contar.

Primeiro devo deixar claro que quero novamente falar do tal instante decisivo em nossas vidas. Tudo tem um momento exato e eu como sempre sei que não tenho tato suficiente para perceber esses momentos e muito menos sei como agir na grande maioria deles. Provavelmente eu vá ouvir que grande parte da população mundial também se sente assim em relação ao que acontece em suas vidas. Confesso que não duvido disso, apenas uso isso como forma de garantir uma maneira agradável de expressar o que eu penso.

A primeira alegoria divertida vai para um fato ocorrido hoje (ontem afinal já é meia noite). Eu sou um cara que sempre adorou enviar flores, gosto mesmo da sensação que isso causa em algumas pessoas e também encaro como uma forma de dizer o quanto o carinho e a delicadeza dessas pessoas me encantam, a ponto de me sentir tentado a deixar um ser belo (quase tão quanto quem recebe as flores) e carinhosamente frágil aos cuidados de alguém. É algo que só faço com quem acho especial.

Mas voltando a história. Hoje voltei a fazer isso. Da maneira mais estapafúrdia e ridícula que se pode fazer isso, mas fiz. Tinha suas flores plantadas, tinha alguém para quem eu queria dar as flores e, de alguma forma consegui fazer isso. Atribuo o consegui mais ao tempo certo, o instante decisivo do que a forma como fiz. Se dependesse da forma como fiz as flores estariam mortas. Aliás, espero que a pessoa que as recebeu entenda que foi um gesto de carinho e não um livrar-se de algo. Coisa de homem tímido.

Esse foi um instante decisivo bom. Divertido até certo ponto, confesso que adormeci com um sorriso no rosto em meu almoço por ter feito isso. Afinal, quem levou as flores gostou, e elas sobreviveram sob os cuidados de alguém que eu acho especial. Tudo no tempo certo. Tempo certo que também se torna o cerne de uma segunda alegoria maluca. Terminei a leitura de um livro que mexeu bastante comigo. Mexeu a ponto de eu querer falar muito dele, algo que começarei hoje, porque tem tudo a ver com essa minha relação com o tempo. Tanto pelo fato de ter pego o livro no momento certo (acho que se tivesse lido anos antes não teria chegado a algumas conclusões e se deixasse para ler daqui a alguns anos, talvez nunca tivesse a chance de ler).

Para quem não leu, eu recomendo fortemente o livro Uma Longa Queda de Nick Hornby. A história dos quatro quase suicidas que se encontram no momento fatal na noite do ano novo realmente me comoveu e me fez pensar. Não estou aqui nem cogitando a hipótese de acreditar em forças divinas, deuses e anjos que possam vir salvar almas perdidas perto de se entregar ao medo. Não estou aqui também pra falar da luta pela vida. Apenas a idéia do tempo decisivo me interessa nesse instante. Próximos posts sobre cada um dos personagens principais virão a seguir.

O que vale ressaltar, e com grande importância pra mim. É que se todos não tivessem chegado no instante em que chegaram, a história (deliciosa de se ler, por sinal), não teria ocorrido, os 4 teriam se jogado e mesmo sem a real vontade de se matar, teríamos 4 corpos a mais no necrotério de Londres, nada que realmente fosse fazer diferença.

A verdadeira diferença surgiu do acaso e da sorte. Do aproveitamento do instante decisivo em que as decisões foram tomadas. Cada um podia decidir o que fazer e as decisões de um influenciaram os outros. Ai surge outro conceito temporal maluco. A reação em cadeia. Se um dos quatro tivesse se jogado, com certeza a história seria muito diferente. Cada um influenciou os outros e foi influenciado. Cada ação gerou diversas outras que no caso da trama, acabaram servindo de desculpa forte o suficiente para se evitar a morte. Não sei se funcionariam com um cara como eu, mas com certeza me fizeram pensar.

Aliás, o que faria você dar um passo atrás numa decisão forte como essa? Suicídio será um tema posterior, mas vale a pena já começar a coletar informações, o que faz você acreditar que vale a pena viver?





Sobre o Tempo – Pato Fu

22 11 2009

Eu devia ter dito que ela estava realmente linda...

“Tempo, tempo, tempo mano velho” Este trecho da música do Pato Fu chamada Sobre o Tempo, é o resumo dessas minhas últimas semanas. Eu sempre briguei com o tempo, ele sempre foi meu inimigo máximo. Na maioria das vezes ele passa devagar demais, ou pelo menos da forma errada no tempo errado. Coisas que deveriam durar uma eternidade acabam durando segundos.

O tempo nessa semana voou enquanto eu tentava dormir, demorou a passar quando eu tive coisas chatas e situações complicadas, se evaporou quando eu precisava terminar algo em pouco tempo e congelou quando eu precisei esperar o tempo necessário para fazer algumas coisas. Eu sei que isso acontece com todo mundo, todo mundo vez ou outra reclama das mesmas coisas que eu, só mudam as ações que levam a reclamação.

Na verdade, só me lembro de uma pessoa que conheci e que fazia questão de dizer que o tempo sempre passou na velocidade certa, a gente é que tem que se acostumar com ele. A frase extremamente sábia eu ouvi de um pescador que saia todos os dias pro mar com seu barco na Ilha Grande, encontrei-o duas vezes em visitas que fiz à ilha. Gente boníssima, saia pela praia distribuindo os peixes que pegava em excesso e sabia que iam estragar, nós que acampávamos por ali adorávamos esse acréscimo em nossa refeição. Aqui vale um bom adendo, finalmente comecei a ler O Velho e o Mar do Hemingway. Peguei emprestado e acho que vou curtir muito o livro.

Mas voltando ao tempo, a forma como ele atua em cada um de nós a cada instante é extremamente irritante. Ainda mais quando existe uma diferença clara de expectativas em relação ao que vai se passar naquele momento. É como dar aulas pra uma turma, você num ritmo alucinante, e os alunos achando tudo aquilo lento e maçante, não encaixa e não funciona pra nenhum dos lados.

Ontem, especificamente ontem eu briguei com o tempo. Reclamei dele de forma rabugenta. Vivi momentos em que eu queria que ele passasse mais devagar e momentos em que sonhava com a ampulheta extremamente veloz que foram separados por segundos, milissegundos. Até entendo que algumas limitações pessoais tornaram essas brigas mais fortes do que realmente deveriam ser, mas foi o que senti.

Primeiro o lado da pressa, fiquei feliz com meus alunos, o que eles produziram foi de qualidade, mas confesso que ficar o dia todo (principalmente durante a manhã) num lugar extremamente lotado me fez um mal tremendo. Não reclamo do trabalho, eu até curto, o que não curto é passar mal por besteiras como essa, quem sabe me livro disso em breve.

O lado oposto tem muito a ver com minha timidez. Eu uma vez pensei em escrever versos falando da minha relação com o tempo (na verdade eu vou fazer isso, apenas agora preciso estudar mais o assunto). Um dos pontos que mais me intriga é algo que eu costumo chamar de tempo exato. Algumas coisas possuem o momento exato para serem feitas e vividas. Se um segundo antes atrapalham tudo e nada funciona a contento, se um segundo depois perdem a força e podem soar até de forma ofensiva e jocosa.

Passei pela perda do momento exato ontem, senti isso de forma bem próxima. De início, vi alguém que merecia um elogio e fiquei com uma baita vergonha de fazê-lo, primeiro porque eu não queria dizer que a pessoa estava bonita ontem, mas sim que ontem ela estava mais bonita que de costume, apesar de ser já muito bonita. E queria fazer isso de forma leve, sem parecer cantada barata. Pensei, pensei, pensei e acabei nem fazendo isso, perdi o momento. E tive sim meus momentos pra isso. Aliás, em certo momento até estive a sós com a pessoa, mas por timidez o papo não fluiu, fiquei sem saber o que falar e nem consegui caminhar na direção desejada, como dito posts atrás, entender e conhecer melhor alguém que me gera curiosidade (quem é eu não cito o nome nem adianta perguntarem, talvez a pessoa até saiba que é ela, enfim tempo ao tempo…rs).

Aliás nesse momento, que eu queria até certo ponto que fosse mais longo (principalmente se eu tivesse aberto a boca como imaginado), pareceu extremamente imenso quando percebi que parecia ser inconveniente naquele momento. Ai as pessoas se afastam. E o tempo que eu queria que durasse muito, acabou parecendo longo demais.

É com essa dualidade que não sei lidar, com o jogo que envolve o outro, com a forma como a expectativa do outro altera a minha noção temporal, ainda mais quando não consigo fazer uma leitura clara da outra parte. Conheço gente que lê as pessoas como lêem um livro estilo Fogo no Céu ou o Rabo do Gato, livrinhos infantis com poucas frases, utilizados para alfabetização. Por outro lado, eu faço parte daqueles que encontram na leitura das pessoas a mesma facilidade que teria ao ler Ulysses do James Joyce numa versão em aramaico ou russo.

Quem sabe um dia eu aprenda. Quem sabe eu consiga também aprender a manusear de forma correta o tempo, e pare de perder estes instantes decisivos (justo eu que me considero um fotógrafo razoável perco instantes decisivos). Quem sabe eu aprenda que a ter o timing, faça o tempo realmente correr macio e ser um amigo legal pra mim, parando de reclamar.

E você? Reclama muito do tempo? Quais as suas grandes reclamações temporais? Aguardo seu comentário.





The Long And Winding Road – The Beatles

15 11 2009
foto7mini

a beleza das estradas sinuosas está nas coisas que se escondem em cada curva

Fecho hoje o tema das saudades. A última delas nem é tão saudade assim, é mais uma sensação pessoal de orgulho e dever cumprido. Quem nunca se sentiu a pior das pessoas por não ter conseguido levar adiante uma história importante em sua vida? Quem nunca se culpou e acreditou que cometeu todos os erros do mundo, fazendo com que toda a culpa realmente residisse em suas costas?

Eu vivi isso por um longo tempo. Achei-me incapaz de acertar. Diziam-me que o tempo cura tudo. Confesso que não me curou. A cura veio de outras fontes, bem menos nobres e muito mais interessantes. A verdadeira cereja do bolo, entretanto, veio de outro local. Surgiu da percepção real de que sou importante, quando o calo aperta, a coisa complica, é meu telefone que toca, mesmo com certo receio, é meu auxílio que é solicitado.

Percebo as vezes um leve mal estar em me procurar. Sinto o peso, como se fosse sempre a última opção. Ai me vem a cabeça uma canção dos Beatles. The Long and Winding Road, o caminho até mim se tornou uma estrada longa e sinuosa, dolorida, mas necessária em alguns momentos.

Uma lida rápida pode parecer que eu esteja saboreando algum tipo torpe de vingança. Nada a ver com isso. Até tenho sim meus senãos com algumas histórias, entretanto, hoje o que mais quero é escrever outras. Meu último post deixa isso bem claro, aliás, o último post tornou-se quase um mantra. O que vale ressaltar aqui, é que sim, me sinto bem em perceber que não errei. E principalmente, me sinto ótimo em saber que eu perdi bastante, mas honestamente teve gente que perdeu mais do que eu.

Reconhecer que tenho algum tipo de valor está fazendo um bem danado pro minha auto-estima falida. Eu sempre assumi que sou muito bom em algumas coisas e que sou péssimo em diversas outras. No geral o peso das diversas outras é maior do que as algumas coisas. Típico de quem não tem muito amor próprio.

Talvez semana que vem eu volte em textos novamente mais gerais, com mais opiniões minhas sobre o mundo, temas realmente substanciais e fora desse meu universinho podre e depressivo. Até porque pouca gente leu ou comentou o que escrevi. Mas tenho que admitir que precisava desabafar ou então ruiria de vez. Assim, se quiser, deixe ai um comentário, dê uma sugestão de tema que eu prometo ler e responder já nessa semana que se inicia.





High – The Cure

11 11 2009
ams (58)

Quem nunca se encantou pela beleza de uma flor só depois de vê-la bem de perto?

Ainda está difícil levar a vida. Eu queria realmente ter a cabeça leve o suficiente pra produzir textos mais divertidos e bem escritos. Enquanto eles não aparecem, falo de coisas mais leves. Hoje vou falar da segunda boa saudade. Da sensação boa de sentir-se percebido em maior ou menor grau. Na verdade, vou falar de algo diferente, vou falar do perceber, já que é o que posso afirmar nessa historinha que pretendo contar hoje.

A música de hoje é mais uma volta a minha adolescência. Sempre gostei de ouvir The Cure, ainda tenho alguns discos de vinil da banda escondidos na casa dos meus pais. High é uma música de um disco com certa história pra mim. Wish foi o último disco de vinil que comprei antes de começar a compras CDs (tudo bem eu assumo que estou velho…rs). E nesses acasos da vida. O que me levou a comprar esse disco nessa época em parte se assemelha com o tema do texto de hoje.

Naquela época os lançamentos não eram simultâneos no mundo todo como hoje, demorava um bom tempo para livros, filmes e CDs chegarem ao mercado brasileiro. Eu aluno do Brasílio Machado, tinha minha turma. Conhecia bastante gente na escola. Não todo mundo. Algumas pessoas eu via todo dia, na verdade vi por 3 anos e nunca me chamaram a atenção. Passavam totalmente despercebidas, como eu devo ter passado despercebido pra grande maioria daquela massa estudantil.

Todo dia pegava o metrô, nesse tempo eu trabalhava na estação Santa Cecília. Os alunos do Bandeirantes subiam na estação Paraíso. Alguns eu até já reconhecia de ver todos os dias, pelas piadas no caminho, até conheci algumas pessoas. Muitos não sabia sequer que estavam ali. Até que uma pessoa num dia vem puxar papo comigo. Tudo por causa de um fichário com charges que eu usava na época. Num lado estavam 10 motivos para ir a escola e no outro 10 motivos para não ir a escola.

Papo rápido, nada demais, mas a pessoa me deixou curioso. Com o tempo, passei a notar a sua presença. Até procurar e esperar. Numa das vezes em que nos vimos. Ouvia cantando essa música que eu não conhecia. Ela trazia a música gravada numa fita cassete (coisa antiga, eu sei, os diskman eram ainda novidade e hoje estamos nos ipods da vida). Acabei comprando o disco para saber mais daquela pessoa que de uma hora pra outra passou a me chamar tanto a atenção. O que se deu desse ponto em diante, melhor deixar pra lá. Não é algo que eu goste de lembrar.

Vale a pena, entretanto, dar um salto no tempo, sair de 1992 e voltar a 2009. Vivo situação parecida. Quero conhecer melhor uma pessoa. E essa é a saudade boa, a de se fazer notar e ser notado. Alguém que me parece interessante e legal. Gera curiosidade. Meu lado mais otimista me faz crer que também não passo despercebido. Não falo de romance, falo realmente de conhecer, saber quem é e o que pensa. É esse o tipo de sensação que tenho e em certo ponto às vezes me parece ser recíproco.

Falo no em certo ponto porque a minha famosa e absurda timidez não me permite ir além da forma como deveria. Não quero ser invasivo nem exagerado. Quero apenas sanar uma forte curiosidade pelo que me atrai e só a partir daí entender o que realmente acontece. Sou curioso por natureza, mas não um amante da natureza humana. Poucas pessoas realmente me chamam a atenção e quando isso acontece, gosto de saber o que me leva a isso. Sem contar que essa curiosidade e mesmo a saudade boa (ou as dúvidas que isso  gera) me ajudam a tentar seguir adiante em momentos pesados como esse em que estou vivendo, onde a falta de foco parece ser constante.

O próximo texto falará da terceira saudade boa, encerrando essa série talvez pessoal demais pro perfil do blog, mas necessária nesse meu processo de reencontro comigo mesmo. Pra depois ainda não tenho tema, aceito sugestões de vocês que passam por aqui. Desculpem o texto meloso, mas ele é realmente bastante sincero.





Run Like Hell – Pink Floyd

9 11 2009
foto6mini

Sinto como milhares de espinhos como esses penetrassem minha pele

Não sou muito fã de posts assim seguidos, ainda mais quando eles fogem da sequência lógica de posts que eu prevejo. A lógica pedia que eu continuasse falando das boas saudades. Porém, hoje eu confesso que não estou com uma boa cabeça. Confesso que preciso falar um pouco dos fantasmas que estão deixando minha cabeça mais fora de ordem do que normalmente ela já é.

Ao som de Run Like Hell do Pink Floyd (uma das músicas da talvez ópera rock The Wall) vou aqui destilando idéias sem sentido, tentando encontrar algum motivo pra conter lágrimas que caem feito um rio do meu rosto..

O mais chato dessa história toda é não ter uma noção exata do que me faz chorar. Ter medo de tudo o que me cerca, medo quando o telefone toca, medo quando a tevê fala e medo quando tudo silencia. Medo da luz da sala e até medo do escuro. Escuro aliás, que uso pra me esconder e proteger de algo que eu não tenho a menor idéia do que seja.

Nesses momentos, em que a cabeça vai por diversos caminhos e não encontra estrada alguma para seguir, eu tento me focar no que tenho que fazer. Tento produzir algo de útil, como forma de fazer o tempo passar sem que eu perceba. Tento fazer isso até que o sono chegue e eu adormeça. Sempre com a falsa idéia de que com certeza acordarei alegre e bem.

Mas hoje nem isso tenho conseguido. No máximo esse texto que nem sei se merece ser compartilhado. Tentei adiantar uns relatórios, produzir alguns versos, imaginar algumas fotos. Tentei andar por ai, dei uma caminhada pelo condomínio, tentei ver o céu, mas a chuva não caiu.

O que me incomoda, confesso, é sentir-me vazio. Não sei como outras pessoas se sentem. Eu só sei que me sinto totalmente vazio por dentro, como se tudo aquilo que eu faça e pense não tivesse razão. Busco uma razão pra continuar. Vejo as pessoas ao meu lado tento tantas idéias diferentes, encontrando pequenos prazeres em coisas que eu considero absurdas, não por serem absurdas, mas por não fazerem sentido pra mim.

Onde está o sentido? Eu corro, corro, corro e nada. Não chego a lugar algum e o que é pior, nem sei se existe um lugar pra chegar. Aos leitores, desculpem o desabafo. Espero ter coisas melhores pra dizer no meu próximo texto.