Será que eu cresci?

9 05 2009
Por que crescer é tão difícil?

Por que crescer é tão difícil?

Hoje fui dar uma palestra numa escola pública de São Paulo. O Antonio Prudente , escola localizada na Vila Nova Cachoeirinha, na zona Norte da cidade. Um bairro longe do glamour da cidade, formado por gente comum, gente como eu. Eu vim de uma comunidade de certa forma parecida com a dos alunos que vi hoje.

Aluno de colégio da prefeitura num bairro nascente e crescendo (hoje até shopping tem perto da casa dos meus pais), ônibus lotados, pouca infra-estrutura disponível e quase nenhuma opção de lazer.

A estrutrura na verdade pouco importa, acho que vale agora falar dos jovens que eu vi e conheci hoje. Não vou lembrar dos nomes deles, mas trago na memória seus rostos,trago as expressões de surpresa, alegria, em alguns momentos até desprezo, trago tudo comigo e com muito carinho.

Eu em diversos momentos me vi ali. Me lembrei dos sonhos de menino. Aliás fui lembrado por erstes jovens que me perguntaram muita coisa. Me lembrei dos autores que li quando criança, dos filmes e desenhos que assisti, das escolhas que tive que fazer, a grande maioria sem nem saber porque escolhi determinada opção. Eu vi nos olhos de alguns a surpresa quanto toquei nesse tema. As escolhas que somos obrigados a fazer a vida toda.

É uma escolha minha entender o que aparece no espelho

É uma escolha minha entender o que aparece no espelho

Vi nos olhos deles o medo que eu sentia nessa idade. Alguns tentavam até esconder isso, com olhares vazios, um pretenso ar de superioridade dos alunos e algumas vezes até ira nos olhos. São situações normais nessa idade. Você quer fazer algo mas não sabe ao certo o que. Sabe apenas que o mundo te incomoda. Você não faz parte de nada, ou de lugar algum.

Nessa fase, a maioria das escolhas não segue lógica alguma, você está começando a deixar de ser totalmente dependente das idéias dos seus pais, começa a pensar com a própria cabeça. Finalmente liberdade. O duro é saber o que fazer com ela.

Em geral o primeiro passo acaba sendo descambar para a ira. Reclamar dos horários impostos, duvidar de tudo o que dizem, querer quebrar todas as regras possíveis. Ou ainda, voce pode não suportar a pressão e simplesmente ser levado pelo vento, não pensar (espero que nenhum deles escolha essa opção). O melhor seria uma terceira via, o tal caimnho do meio, discordar sim, mas com consciência, reclamar e ouvir, pedir e doar, tudo em equilíbrio.

Sou igual aos jovens que vi hoje

Sou igual aos jovens que vi hoje

Não é fácil alcançar esse equilíbrio, na verdade nem na idade adulta isso é fácil. Mas vale a pena buscar esse caminho. Fazer-se ouvido por questionar com rigor e motivos. Ganhar credibilidade pelo que se é, sem força, apenas com a cabeça. Isso é crescer.

Falar com os jovens hoje me fez pensar nisso, será que eu cresci? Espero que sim, e principalmente, espero que eles cresçam com toda a força que pareceram demonstrar hoje.

Agradeço a vocês a oportunidade de ter dividido algumas horas do seu tempo comigo.

Anúncios




Ensaio Sobre a Cegueira…

5 05 2009
Vista do Pico do Jaraguá - linha de poluição

Vista do Pico do Jaraguá - linha de poluição

Volto agora a discutir o olhar de cada um. Faço isso devido a conversas com amigos. Um termo que surgiu “cegos funcionais”, ficou martelando na minha cabeça. Primeiro porque não é a primeira vez que me deparo com esse tipo de discussão, e a primeira vez que me deparei com essa discussão e aprendi muito. Segundo porque como fotógrafo, uma das minhas maiores diversões é buscar cenas óbvias que apesar de óbvias são vistas por poucas pessoas. E terceiro, me intriga ver a quantidade imensa de pessoas que não percebe a imensa quantidade de informações que passa diante dos seus olhos a cada segundo.

O título do tópico vem de um livro que me marcou, de certa forma ele representa um instante extremamente importante da minha vida. O livro sempre me traz ótimas lembranças. E justamente essa tal cegueira funcional pode ser um dos temas levantados a partir da leitura da obra de Saramago. Não vou me alongar no que traz a obra, até porque é um livro que eu acredito que você leitor do blog merece descobrir página a página, aliás recomendo que você leia o livro antes até de ver o recente filme.

Mas voltando ao tema. Primeiro quero falar de modo mais sutil, voltando a imagem que abre o tópico, não a cena, mas o fato concreto, observe essa foto, ela foi batida no Pico do Jaraguá em São Paulo, local de onde se pode avistar grande parte da cidade. A foto está razoavelmente bem feita, as cores estão bem vivas e a cena é relativamente bonita. Outra foto também da cidade de São Paulo, o céu anoitecendo e o vermelho forte deixa a cena bastante bonita e interessante. 

Qualquer um gostaria de ver essas cenas, de poder estar em locais em que isso é bem visível, certo? Errado A beleza das cenas nesse caso provém de poluição, o ar sujo da cidade grande acaba proporcionando essas belas cenas, cheias de cores fortes e contrastantes. 

Belo e poluído

Belo e poluído

Mas o que isso tem a ver com o olhar? Podemos escolher duas linhas para tratar o assunto, a primeira e mais rapidamente apresentável é a de mostrar que as aparências não mostram nada, que o que vale é realmente aquilo que se é e não o que se apresenta. Mas isso seria um caminho extremamente moralista e não é exatamente o que eu procuro como mote aqui nesse espaço. 

O segundo e para mim mais interessante caminho é o de que a informação possui um peso diferente para cada pessoa. Não exatamente como o texto anterior onde a visão de cada um podia levar a um caminho diferente. Nesse caso o que vale é a informação que cada um possui. 

As cenas são visualmente belas, mas quando temos a informação do que traz a beleza para as mesmas, talvez nossa opinião mude. Talvez, entretanto possamos seguir outra via, dizendo que é o preço que se paga pelo progresso. E se assim for o que se faz é apenas um juízo pessoal de valores. A pessoa com a informação tira as conclusões que desejar. Eu posso olhar para o preço do dólar baixando e achar interessante pela valorização do real ou ruim pela dificuldade de exportações e em nenhum dos casos estarei errado. 

E isso é bastante interessante no que se refere a possibilidade de podermos crescer como pessoas. A questão é saber se estamos abertos a ouvir novas opiniões e discuti-las. Se assim for ótimo. Caso ocorra o contrário, a intolerância e a violência acabam ganhando mais válvulas de escape, temos que perceber que nem sempre estamos certos (acho que na maioria das vezes erramos) e por isso é necessário aprender a ouvir. 

espuma nas águas do rio Tietê em Santana do Parnaíba

espuma nas águas do rio Tietê em Santana do Parnaíba

Obs.: falando nisso, gostaria de ouvir o que vocês leitores acham desse espaço, mande uma mensagem para que a gente possa interagir sobre os temas discutidos, participe, mande sugestões de temas e idéias.

Obs(2).: Aos que acompanharam o drama da Claudia com a perda de seu cão, temos uma boa notícia, ele foi encontrado!!!!